O que você sabe sobre a Psicologia?

   A cada dia mais a Psicologia vem ganhando espaço de visibilidade e importância na sociedade, especialmente no ocidente, mas junto a isso vemos crescendo também as falsas ideias e concepções do que ela é. A Psicologia chegou ao Brasil, mesmo que com uma estrutura um tanto quanto rudimentar, um pouco antes de ser regulamentada como profissão em 1962. Seus fins eram um tanto quanto questináveis, mas sobre isso trataremos mais tarde. Atualmente, muitos conhecimentos da área da Psicologia se popularizaram, as abordagens psicológicas mais antigas e bem estruturadas já são “conhecidas” pelo senso comum, a maioria das pessoas já ouviram falar de algum/a psicanalista, ou um analista do comportamento…sobre livros do Augusto Cury (Psiquiatra e psicanalista), livros de auto-ajuda, e tantas outras coisas que são atribuídas ao campo da investigação psicológica. Porém, para compreendermos o que é a Psicologia, precisamos primeiramente fazer a diferenciação entre as áreas de estudo do psiquismo humano.
A Psiquiatria é uma área de especialização, de pós-graduação, do curso de Medicina. Ou seja, quando você vai a um psiquiatra, está indo a um médico, que além de todos os estudos realizados na área da Medicina geral, se especializou nessa área. Já a Psicologia se trata de uma profissão, diferenciada da psiquiatria, é claro que existem especializações em psicologia nas diversas profissões existentes, assim como existem psicólogos/as especializados/as em áreas de educação, esporte, na área forense, dentre outros. Mas a diferenciação entre psicologia e psiquiatria é necessária para compreendermos do que realmente se trata a Psicologia, primeiro vamos definí-la pelo que ela não é. A psicologia não é uma especialização médica. Então, a Psicologia é uma profissão que exige formação superior, na maior parte das faculdades e universidades são cerca de 5 anos de graduação para que se receba o diploma.
Sendo assim, podemos compreender a Psicologia como uma ciência e profissão, que estuda os processos psicológicos do ser humano, desde funções psicológicas, comportamento, subjetividade, desenvolvimento, aprendizagem, envelhecimento, deficiências, escolha profissional, angústias, sofrimentos e psicopatologias, até os processos grupais e sociais que participam da construção e manutenção da identidade, a família, a religião, a educação, o trabalho, a cultura, a política, a economia…estudar psicologia portanto, é se esforçar para compreender o ser humano em sua totalidade, como ser complexo e influenciado por suas vivências, formado por elas. Talvez o campo mais conhecido da Psicologia seja a psicopatologia, o estudo dos estados de sofrimentos psíquicos, mas precisamos diferenciar o estudo desses estados de sofrimento, na área da psicologia, da simples classificação de doenças psicológicas que é muito embasada em uma concepção normativa da sociedade e do comportamento humano. Ou seja, a psicologia não tem como finalidade realizar a simples classificação entre as psicopatologias, se é depressão, se é transtorno bipolar, se é síndrome do pânico, ansiedade ou esquizofrenia (cito aqui as classificações de “doenças” psíquicas mais conhecidas pelo senso comum). Embora muitas vezes o/a profissional da psicologia tenha que utilizar um código numérico e classificatório por meio do CID ou DSM para fins de comunicação entre diferentes áreas da saúde, ele não deve atuar para a simples classificação. A classificação entre as doenças e, principalmente, a medicalização delas são atribuições do campo da Psiquiatria.
Diferenciamos a Psicologia da Psiquiatria e do simples diagnóstico. Já a definimos como uma ciência e profissão que tem por objetivo compreender o ser biopsicossocioespiritual que somos, podemos dizer que, com a finalidade de autoconhecer-se, de emancipar-se, de criticizar-se… mas ainda precisamos diferenciar a Psicologia de outras psicoterapias, de conhecimentos psicológicos do senso comum, de terapias alternativas e até mesmo de terapias religiosas. Isto, faremos nas próximas postagens.
Um dos maiores compromissos éticos da profissão do/a Psicólogo/a recai sobre a responsabilidade social que temos de tornar os conhecimentos científicos da Psicologia realmente úteis, palpáveis e acessíveis para toda a sociedade, sem restringí-los a elite, sem omití-los aos que não tem a possibilidade de ter acesso a eles, tornando-os compreensíveis a todas as pessoas. Este é o propósito do Blog Psicologia para Leigos.

“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”. Jung